domingo , 22 outubro 2017

No Banner to display

Procura faz maconha sumir de farmácias do Uruguai

Compartilhe:

Em quase dez dias de venda de maconha em farmácias no Uruguai, o número de interessados inscritos no país aumentou em mais de 75%: passou de 4.893 (em 19 de julho, início da atividade) para 8.585, registrados na última sexta-feira (28).

Esse montante já supera o de autocultivadores (pessoas que têm autorização para plantar cannabis em casa): 6.946, segundo dados do Ircca (Instituto de Regulação e Controle da Cannabis), órgão governamental responsável pelo sistema.

Após a entrega inicial, os estoques de maconha das farmácias de Montevidéu se esgotaram no mesmo dia, e um novo lote foi entregue após cinco dias. Novamente a demanda foi maior do que a oferta, e uma terceira leva foi planejada pelo governo três dias mais tarde.

Na manhã da última quinta-feira (27) estava prevista a chegada de novos lotes.

Mas na farmácia Antártida, que fica a apenas dois quarteirões e meio da Prefeitura de Montevidéu, no centro da capital “uma das quatro que aderiram ao sistema–, reinava o vazio: só havia as três funcionárias do local, que aproveitavam a calma para limpar vidraças e arrumar as bijuterias expostas em uma das prateleiras.”

“Estamos esperando”, limitaram-se a comentar. “De cada 10 ligações que recebemos, 9 são para saber se já temos maconha de novo”, contou à Folha a funcionária de outra farmácia da capital, que não quis se identificar.

Até o final da tarde da última sexta (29), a reposição ainda não havia sido feita.

A frequência irregular de distribuição deve permanecer até que o instituto termine as primeiras avaliações do processo, no que vem chamando de “curva de aprendizagem”, e introduza no mercado outras quatro variedades com THC (componente psicoativo da maconha) mais alto, de até 4%, e um maior número de estabelecimentos associados.

PROCESSO

Em Montevidéu, há cerca de 380 farmácias, segundo o Centro de Farmácias do Uruguai. Desse total, apenas quatro aderiram ao plano do governo. Os estabelecimentos vendem duas variedades de flores de maconha em estado natural, embaladas em pacotes de 5 gramas (leia mais no quadro ao lado).

Atualmente duas empresas cultivam a planta no país e têm capacidade de produzir quatro toneladas anuais para consumo interno.

A iniciativa é a terceira e última etapa da política de estatização da produção, venda e distribuição de maconha, iniciada com o ex-presidente José Mujica, em 2013.

A primeira fase começou com a liberação do autocultivo. Depois, veio a regularização dos clubes de cannabis, onde até 45 pessoas podem se reunir para cultivar e compartilhar a droga. Estima-se que 160 mil uruguaios consumam maconha.

Fonte: Folha de São Paulo

Veja Também

Em nova tendência, blogueiras estão colocando cílios postiços no nariz

Às vezes, as tendências criadas pelas blogueiras no Instagram não são pensadas para serem bonitas …

No Banner to display



Deixe seu Comentário

comentários



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *