segunda-feira , 18 dezembro 2017

No Banner to display

Pastor Malafaia “profetiza” o fim do império da Rede Globo

Compartilhe:

Após as reportagens no Fantástico deste domingo (8), vários pastores e líderes se manifestaram contrários ao modo como a rede Globo tratou o assunto da erotização de crianças. Foram três matérias que mostraram uma orquestração da emissora contra os evangélicos e os conservadores do país. Primeiramente, o Fantástico insistiu na tese que os traficantes que derrubaram terreiros de religião afro são evangélicos. Essa contradição de termos vem sendo usada por parte da imprensa por que, em alguns dos vídeos divulgados sobre os incidentes, os bandidos usam o nome de Jesus. Depois, foi feita uma tentativa de justificar as mostras que, em nome da arte, expos adultos e crianças a cenas de nudez, pedofilia, zoofilia e vilipendio da fé cristã. A maneira como a emissora abordou o assunto tentou colar o rótulo de “discurso de ódio” em todos os que se revoltaram contra exposições como o Queermuseu em Porto Alegre e a atual mostra no Museu de Arte Moderna de São Paulo.

Por fim, foi apresentada uma matéria que sutilmente tentou apresentar a ideologia de gênero como “brincadeira de criança”. Grande parte dos brasileiros não gostou da maneira como a emissora carioca tenta impor sua agenda sobre os expectadores e a hashtag #Globolixo foi uma mais utilizadas do mundo. O pastor Silas Malafaia também decidiu se manifestar sobre o assunto e publicou um vídeo onde, visivelmente irritado, “profetiza” contra a rede Globo. Como psicólogo, ele lembrou que as crianças não sabem a diferença entre informação, sugestão e ordenança, por isso a erotização precoce pode gerar uma série de problemas de desenvolvimento.

 

Fonte:Ouropretoonlinr

Veja Também

Regionais : Ladrões invadem creche e roubam panetones de criança

Ladrões invadiram uma creche no Ipiranga, na Zona Sul de São Paulo, no último final …

No Banner to display



Deixe seu Comentário

comentários



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *