terça-feira , 24 Abril 2018

No Banner to display

Hospitais particulares de Porto Velho e Ariquemes estão na alça de mira do Ministério Público Federal de RO

Compartilhe:

Porto Velho, RO – A procuradora Gisele Dias De Oliveira Bleggi Cunha (foto), da Procuradoria da República no Estado de Rondônia (MPF/RO), instaurou inquérito civil público a fim de apurar suposta cobrança abusiva nos valores dos medicamentos e produtos nas internações em hospitais privados no Município de Ariquemes.

O órgão levou em consideração, entre outros pontos, o teor de e-mail encaminhado ao Ministério Público relatando que a empresa Clínica da Criança não estaria, possivelmente, praticando valores de mercado na cobrança de medicamentos fornecidos em conjunto com a prestação de serviços hospitalares.

Decisão também atinge Porto Velho

Para regularização e instrução do inquérito, Gisele Bleggi determinou desde já providências e diligências. Em primeiro lugar, que seja encaminhado ofício à AGEVISA/RO para a promoção do fornecimento da listagem de estabelecimentos particulares (clínica e hospitais) existentes em Porto Velho e Ariquemes. Na lista, devem ser mencionados, expressamente, o nome e os endereços dos estabelecimentos.

A AGEVISA/RO  deve, ainda, prestar informações sobre a realização de monitoramento e/ou controle dos estabelecimentos hospitalares relativo aos dados referentes às medicações utilizadas nas internações (nome das substâncias, se são utilizadas as formas genéricas ou de referência, etc).

O MPF/RO também oficiou ao PROCON de Porto Velho e também ao de Ariquemes, solicitando informações a respeito de denúncias recebidas nos órgãos sobre os altos preços das medicações cobradas na internação de estabelecimentos hospitalares particulares.

Por fim, encaminhou ofícios ao Hospital das clínicas, 9 de julho, UNIMED e Central, todos de Porto Velho, para que prestem esclarecimentos sobre os preços cobrados pelas medicações utilizadas dentro dos estabelecimentos, em atendimentos ambulatoriais e internações (Preço do fabricante ou Preço Máximo ao Consumidor), encaminhando cópia da tabela de preços utilizada como referência para a cobrança do atendimento realizado.

 

Autor / Fonte: Rondoniadinamica

 

Veja Também

o_1cbnn6nme164k16orhga1nbg1cqla

Agora se entende as taxas abusivas: Detran tem mais comissionados do que efetivos

Vamos começar a entender algumas coisas que estão acontecendo no Detran de Rondônia, para concluirmos …

No Banner to display



Deixe seu Comentário

comentários



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *